Mantida condenação de município paulista por danos causados após enchente

12/02/2016

A omissão do Município de Itaquaquecetuba, ao deixar de realizar obras em região periodicamente exposta a enchentes, acabou tendo como consequência a morte de morador que contraiu leptospirose. Por este motivo o ente federado foi condenado ao pagamento de indenização por danos materiais e morais. Confira a notícia no site do STF:

 

O Município de Itaquaquecetuba (SP) não conseguiu reverter no Supremo Tribunal Federal (STF) a condenação que lhe foi imposta pelo Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP), consistente no pagamento de pensão mensal e indenização aos filhos de um homem que morreu depois de contrair leptospirose em decorrência de uma enchente. A ministra Cármen Lúcia negou seguimento ao Recurso Extraordinário com Agravo (ARE) 938974, interposto pelo município contra a condenação.

Para o TJ-SP, houve omissão da administração pública municipal na realização das obras necessárias à solução do problema na região, exposta periodicamente às enchentes, tais como ampliação da capacidade de vazão dos córregos, captação das águas pluviais, construção de reservatórios de amortecimento, de barragens de contenção, além da simples limpeza das margens e desassoreamento. Tal omissão, no entendimento do TJ-SP, gerou o dever de indenizar.

Com o transbordamento do córrego e consequente retorno de esgoto coletado das residências, o homem teve contato com água contaminada, vindo a falecer. O município foi condenado a pagar pensão mensal no valor correspondente a dois terços do rendimento auferido pela vítima por ocasião da morte, até a data em que seus filhos completarem 25 anos. A indenização por dano moral foi fixada em 300 salários mínimos sob entendimento de que os aborrecimentos impostos à família ultrapassaram os limites do suportável.

No STF, o município argumentou que a responsabilização por dano moral exige a presença de ato ilícito, que não teria havido, na medida em que não há prova da omissão do Executivo municipal no atendimento ao pai de família e na limpeza e manutenção dos rios e córregos que passam na região. Ainda de acordo com o município, não teria sido comprovado nexo de causalidade entre a doença e a chuva ocorrida na região. O município também argumentou que a vítima não teria procurado os serviços de saúde ao sentir os primeiros sintomas da leptospirose e por fim alegou que a responsabilidade pelo saneamento básico da cidade seria da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp).

De acordo com a ministra Cármen Lúcia, o artigo 5º, inciso XXXV, da Constituição Federal (segundo o qual a lei não excluirá da apreciação do Poder Judiciário lesão ou ameaça a direito), suscitado no ARE, não foi objeto de debate e decisão prévios no TJ-SP, atraindo a incidência das Súmulas 282 e 356 do Supremo. Quanto ao valor da indenização por danos, a ministra lembrou que a Corte, na análise do ARE 743777, assentou inexistir repercussão geral da matéria, já que seria necessário o reexame do acervo fático-probatório, o que também é impedido pela Súmula 279 da Corte.  Portanto, concluiu a ministra, “nada há a prover quanto às alegações do agravante [município]”.

 

Fonte: STF (http://www.stf.jus.br/portal/cms/verNoticiaDetalhe.asp?idConteudo=309669&tip=UN)

 

Confira também a ementa original da decisão no TJSP:

 

APELAÇÃO CÍVEL- REPARAÇÃO DE DANOS. I. Enchente -Transbordamento de córrego, com retomo de esgoto coletado das residências - Contato de vítima com água contaminada - Contração de leptospirose - Falecimento - Pedido de ressarcimento (danos materiais e morais) - Possibilidade - Existência de nexo causal - Omissão da administração pública municipal na realização de obras necessárias à solução do problema de região, exposta periodicamente às enchentes, tais como ampliação da capacidade de vazão dos córregos, captação das águas pluviais, construção de reservatórios de amortecimento, de barragens de contenção, além da simples limpeza das margens e desassoreamento -Dever de indenizar - Dano material - Pensão mensal devida no valor correspondente à dois terços (2/3) do rendimento auferido pela vítima por ocasião da morte, até a data em que os filhos completarem vinte e cinto (25) anos - Reversão da quota parte em favor do irmão ou dos irmãos remanescentes - Dano moral - Aborrecimentos que ultrapassaram aos limites do suportável - Fixação em trezentos (300) salários mínimos - Procedência dos pedidos - Reforma da sentença. 2. Recurso provido.

Please reload

Notícias Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Search By Tags
Please reload

Rua Padre Anchieta, 2050 - room 2209 | Helbor Offices Champagnat | Curitiba, Parana, Brazil 80730-000
guilherme@reisealberge.com | Tel: +55 41 3339 1160

 

Todo o conteúdo deste site, a menos que expressamente disposto em contrário, é de propriedade da REIS & ALBERGE ADVOGADOS. Todos os direitos reservados.

 

 

SIGA:

  • Black Facebook Icon
  • linkedin-square