Contrato de seguro: quando a embriaguez não afasta o dever de indenizar

Quando ocorre um acidente de trânsito e a seguradora de um veículo é acionada, inicia-se um procedimento interno, na empresa seguradora, para verificar se há alguma causa que exclui seu dever de indenizar o segurado. Eis que se descobre que o titular do seguro, no momento da colisão, estava embriagado. Ora, quase automaticamente, a companhia de seguros irá se amparar em tal fato com o intuito de recusar a liberação do pagamento do sinistro. Entretanto, o simples fato de que o motorista segurado se encontrava, quando do acidente, sob o efeito de álcool, não implica em uma exclusão automática do dever de indenizar.

 

Para melhor compreensão da situação, cabe invocar um exemplo concreto: um motorista dirigindo sob o efeito de álcool, com situação da CNH regular e obedecendo fielmente às regras de trânsito é atingido por um veículo em alta velocidade (acima da permitida no local) que, além disso, avança o sinal vermelho. Ora, neste caso, o fato do motorista do primeiro carro ter ingerido bebidas alcoólicas em nada influenciou o acidente de trânsito, ocasionado pela irresponsabilidade do condutor do automóvel que cometeu as infrações (sinal vermelho e excesso de velocidade). Assim, a seguradora não poderia furtar-se ao pagamento de indenização, em razão da embriaguez não ter sido o fator preponderante para causar o acidente, já que não gerou o agravamento do risco.

 

Tal entendimento encontra amplo suporte na jurisprudência pátria, tanto é que o Superior Tribunal de Justiça vem decidindo pela obrigatoriedade do pagamento de indenização em casos semelhantes:

 

AGRAVO REGIMENTAL NO AGRAVO EM RECURSO ESPECIAL. SEGURO DE VEÍCULO.

ACIDENTE. MOTORISTA EMBRIAGADO. AGRAVAMENTO DO RISCO. NÃO COMPROVAÇÃO. COBERTURA. OBRIGAÇÃO. DENUNCIAÇÃO À LIDE. JUROS DE MORA. RESPONSABILIDADE. SEGURADORA. TERMO INICIAL. CITAÇÃO.

ENTENDIMENTO ADOTADO NESTA CORTE. VERBETE 83 DA SÚMULA DO STJ. NÃO PROVIMENTO.

1. A embriaguez, por si só, não configura a exclusão da cobertura securitária em caso de acidente de trânsito, ficando condicionada a perda da indenização à constatação de que foi causa determinante para a ocorrência do sinistro. Precedentes.

2. Nos termos da jurisprudência desta Corte, a seguradora denunciada é a responsável pelo pagamento dos juros de mora que têm incidência desde a citação. Precedente.

3. O Tribunal de origem julgou nos moldes da jurisprudência pacífica desta Corte. Incidente, portanto, o enunciado 83 da Súmula do STJ.

4. Agravo regimental a que se nega provimento.

(AgRg no AREsp 617.627/SP, Rel. Ministra MARIA ISABEL GALLOTTI, QUARTA TURMA, julgado em 01/10/2015, DJe 08/10/2015). (Grifou-se).

 

Obviamente, o bom senso e a cautela recomendariam não beber e dirigir sob qualquer hipótese. Entretanto, a seguradora, em caso de sinistro, tampouco pode utilizar-se exclusivamente do fato do motorista estar embriagado para furtar-se ao pagamento de indenização. Caso isso ocorra, é plenamente possível a revisão deste posicionamento em juízo, tal como já decidido pelas Cortes Superiores brasileiras.

Please reload

Notícias Recentes
Please reload

Arquivo
Please reload

Search By Tags
Please reload

Rua Padre Anchieta, 2050 - room 2209 | Helbor Offices Champagnat | Curitiba, Parana, Brazil 80730-000
guilherme@reisealberge.com | Tel: +55 41 3339 1160

 

Todo o conteúdo deste site, a menos que expressamente disposto em contrário, é de propriedade da REIS & ALBERGE ADVOGADOS. Todos os direitos reservados.

 

 

SIGA:

  • Black Facebook Icon
  • linkedin-square